Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Coisas Digitais

Coisas Digitais

11
Jan16

Bimek SLV é o futuro da contracepção masculina

admin
bimek-slvO Bimek SLV  é uma das novidades mais escaldantes no que diz respeito à contracepção masculina. Clemens Bimek, médico alemão, nascido em 1967, a residir na Suíça, dedicou toda a sua vida a desenvolver um dispositivo que interrompe o fluxo de esperma de se misturar com o sémen. Desde à muitos anos que se fala em contracepção masculina e no sonho de uma pílula que pudesse capacitar o homem de não ter filhos, e ao mesmo tempo aliviar a mulher desta enorme responsabilidade. O que até agora era feito recorrendo ao preservativo ou de uma forma mais permanente à vasectomia, pode no futuro ser efectuado por um simples interruptor. O Bimek SLV funciona através da colocação de um dispositivo em ambos os canais deferentes (responsáveis por transportar o esperma), que atua como válvula, de forma a que sempre que esteja fechado, impeça o esperma de se misturar com o sémen. A abertura e fecho do Bimek SLV funciona recorrendo a um simples interruptor que pode ser ativado externamente. Se bem que o conceito é interessante e libertará homens e mulheres de recorrerem a hormonas na contracepção ou outros métodos contraceptivos, terá de evoluir um pouco mais, recorrendo em vez de um interruptor, a uma ativação através de um smartphone ou algo semelhante.Este dispositivo ainda está em fase de desenvolvimento, irá necessitar de uma cirurgia para ser implantado nos testículos caso passe em todos os testes clínicos e não é livre de complicações sendo a mais grave infecção e esterilidade. Prevê-se que seja comercializado em 2018, com um custo estimado de 5450 dólares.
07
Jan16

Withings thermo poderá facilitar a forma como se avalia a febre

admin
withings thermoQuem tem crianças, sabe o quanto pode ser difícil efetuar o simples acto que é avaliar a temperatura corporal para saber se há febre. Quando se fala em termómetros, pensamos quase imediatamente num objecto que tem de se colar na testa, colocar no ouvido, na boca, na axila ou mesmo no recto, felizmente isto tudo poderá ser coisa do passado com o novo termómetro Withings thermo. O Withings Thermo é um termómetro extremamente fácil de usar. Basta colocar na testa, esperar dois segundos e ficamos com um valor bastante preciso da temperatura corporal, que aparece num pequeno visor com leds. Mais do que isso este termómetro é ideal para pessoas com alguns défices, como crianças que não sabem interpretar os números ou idosos que já apresentem diminuição das suas faculdades. O Withings Thermo é tão intuitivo que caso a pessoa apresente febre, o dispositivo apresenta um led vermelho a piscar, apresentando um led verde que pisca sempre que a temperatura corporal se apresente normal. A evolução tecnológica presente neste termómetro não se fica por aí. O Withings Thermo possui 16 sensores infravermelhos, uma aplicação companheira que após instalada guarda um registo de todas as avaliações da temperatura, assim como as notas que podem ser adicionadas, como por exemplo qual o medicamento utilizado e o seu efeito, criando a possibilidade de no futuro o utilizador poder evitar qualquer medicamento que não tenha sido eficaz e sincronização via wifi.withings thermo appEste termómetro pode ser utilizado por toda a família, uma vez que a aplicação possui a capacidade de criar contas para vários utilizadores. Relativamente ao consumo de bateria, o Withings thermo é extremamente poupado, uma vez que é capaz de ter uma autonomia de até dois anos, apenas recorrendo a duas simples baterias AAA. O seu preço será um tanto quanto elevado, uma vez que se prevê que custe cerca de 100 dólares, mas que poderá ser justificado pela facilidade de utilização e capacidade de aliar toda a informação da família no que diz respeito à avaliação da temperatura. Está previsto ser colocado à venda já a partir de março deste ano.
24
Mai15

Da Vinci Surgery apresenta braços robóticos para cirurgias

admin

da-vinci-surgeryÀ muito que a robótica tem vindo a substituir os humanos em tarefas repetidas, como por exemplo nas grandes linhas de montagem de uma fábrica de automóveis, onde grandes braços robóticos são obrigados a fazer movimentos rápidos e precisos.

O mais recente em método de cirurgia robótica da Da Vinci Surgery é realmente fascinante ao ponto de nos maravilhar e deixar-nos  ao mesmo tempo apreensivos.

Como se pode verificar no vídeo abaixo, pequenos braços robóticos com garras nas extremidades são usados ​​não só para colocar um pequeno pedaço de casca da uva na peça de fruta, como em seguida, usar as linhas de sutura para costurá-la de volta no lugar…tudo dentro de uma garrafa.

Este pequeno sistema com braços robóticos ainda aguarda aprovação pela FDA, assim como da Comunidade Europeia para poder efectuar pequenas cirurgias.

Estas mãos robóticas têm grande potencial e pode ser utilizado para várias cirurgias como histerectomias, remoção de ovários, da vesícula biliar, entre outras.

De acordo com seu site, o sistema cirúrgico da Da Vinci Surgery, permite aos cirurgiões operarem através de pequenas incisões. Este sistema apresenta imagens usando um sistema de visão ampliada 3D de alta definição e usa instrumentos minúsculos que conseguem dobrar-se e girar  em amplitudes muito superiores ao da mão humana.

A empresa pretende através do seu sistema, fornecer aos cirurgiões operar com visão aprimorada, precisão, destreza e controle em todo o momento da cirurgia.

Qualquer tecnologia que torne os médicos mais eficientes, diminua as listas de espera para cirurgias, melhore a qualidade de vida das pessoas e seja menos invasiva, é bem vinda.

06
Mai15

Smartphones podem ser usados para descobrir parasitas

admin
smartphone-loa-loaOs smartphones, são mais do que simples telefones, máquinas fotográficas, consolas de jogos ou plataformas de entretenimento. O iPhone já provou anteriormente que consegue ser um excelente equipamento para a ajudar ao diagnóstico de certas doenças ou problemas de saúde.Segundo um artigo da npr.org os smartphones poderão em breve dar uma grande ajuda no diagnóstico de uma parasitose que continua a deixar marcas em várias zonas de África.A oncocercose , ou cegueira dos rios, é uma parasitose causada pelo Onchocerca volvulus, que se propaga através da picada de moscas pretas do género Simulium e afecta vários orgãos como a pele, olhos, e sistema linfático.A doença é conhecida como cegueira dos rios, uma vez que esta espécie de moscas, necessita de zonas com água, como rios ou riachos para se reproduzir. Apesar de não ser fatal, é uma das maiores causas de cegueira de África.Esta situação melhorou bastante desde o descobrimento de uma droga chamada de ivermectina que pode ser administrada como tratamento ou de forma preventiva. Como o parasita vive em simbiose com bactérias, o uso da doxiciclina concomitantemente com a ivermectina, melhora o sucesso com o tratamento.Um grande problema para as equipes de saúde africanas, é que os doentes destas áreas podem ser infectados com um outro tipo de parasita, chamado de Loa Loa. Se tratado na fase aguda como uma oncocercose, em que é administrado ivermectina, o tratamento pode-se revelar fatal.Até agora a abordagem pelos técnicos de saúde, tem sido a análise ao sangue, em que indivíduos treinados, através do uso de microscópios convencionais, analisam manualmente os parasitas presentes no sangue.Como este processo tem-se revelado demasiado trabalhoso e demorado, Daniel Fletcher, Professor de Bio engenharia da Universidade da California, tem recorrido a iPhones para desenvolver uma espécie de microscópios portáteis, capazes de detectar automaticamente a Loa Loa com uma simples gota de sangue.Para dificultar ainda mais o diagnóstico, o Loa Loa esconde-se nos pulmões e revela-se na corrente sanguínea entre as 11 horas e as 13 horas, pelo que as colheitas de sangue têm de ser efectuadas neste período de duas horas.A partir do momento que o sangue é colhido, o smartphone faz praticamente tudo. Basta o técnico de saúde colocar o sangue no microscópio adaptado ao iPhone, para que o aparelho recorrendo à câmara de vídeo, consiga em cerca de três minutos lançar os resultados.Teoricamente como o sangue só pode ser colhido num período de duas horas, os técnicos de saúde conseguem na melhor das hipóteses ter acesso a cerca de 40 resultados por smartphone, no entanto, apesar de parecer ser um número pequeno, é bastante maior do que o processo convencional usado actualmente.Mais uma vez os smartphones estão-se a revelar uns verdadeiros aparelhos capazes de revolucionar os cuidados de saúde.Fontes: NPR e Sapo Lifestyle
04
Mai15

Caneta ARC é capaz de melhorar a escrita de doentes com Parkinson

admin
caneta-arcEmbora existam muitos sinais e sintomas da doença de Parkinson, tais como a lentificação dos movimentos, alterações do discurso, dificuldade na deglutição entre muitos outros, o sintoma mais típico e facilmente reconhecível são os tremores físicos.Além da dificuldade de realizar movimentos finos, como amarrar atacadores de sapatos ou abotoar um botão de uma camisa, os tremores podem dificultar o simples gesto de segurar uma caneta e escrever de forma legível.Um grupo de trabalho da Dopa Solutions criou uma solução para este problema. A equipe desenvolveu uma caneta que vibra, a fim facilitar a escrita de doentes com Parkinson.O distúrbio de escrita que aflige vítimas de Parkinson, designado por micrografia, faz com as letras sejam pequenas e apertadas, que diminui consoante a pessoa escreve, dificultanto a leitura.A nova ferramenta de escrita, batizada de caneta ARC, utiliza vibrações de alta frequência para estimular os músculos na mão de um doente de Parkinson, de modo a que este consiga alargar a caligrafia e torná-la mais fácil de ler.A Dopa Solutions ainda não publicou os resultados oficiais, mas os investigadores afirmam que de 14 doentes testados, 12 deles (cerca de 86%) foram capazes de escrever de forma mais legível graças à caneta ARC.Além dos tremores dificultarem a escrita o formato das canetas e dos lápis não são os melhores para doentes com Parkinson. A caneta ARC pretende também resolver este problema, uma vez que é grossa o suficiente para que os utilizadores a possam agarrar melhor, melhorando o aperto e movimento.Por  enquanto a doença de Parkinson ainda não tem cura, no entanto a tecnologia está a ajudar a ultrapassar algumas das limitações impostas pela doença. Apesar deste estudo ser limitado devido ao pequeno numero de indivíduos estudados, a Dopa Solutions procura patrocinadores para continuar o desenvolvimento da caneta ARC.A empresa não se fica por aí pois pretende integrar a tecnologia de vibração em outros utensílios que os doentes de Parkinson têm dificuldade de usar.  Escovas de dentes, talheres e até mesmo ratos de computador que tremem podem num futuro próximo melhorar a qualidade de vida de milhares de doentes de Parkinson.
ARC, therapeutic vibrating pen for people with parkinson's from Hwansoo Jeon on VimeoFonte: Dopa Solution
20
Mar15

Apósito inteligente ajuda a prevenir feridas por pressão

admin
aposito-inteligenteQuem trabalha no ramo da saúde sabe que a feridas por pressão são um autentico flagelo para as pessoas acamadas e ou que sofrem de imobilidade.Apesar da quantidade de apósitos existentes para o tratamento deste tipo de feridas, os profissionais de saúde sabem de antemão que para ganhar a guerra contra as feridas têm de apostar na sua prevenção.Estas feridas quando aparecerem podem-se comparar com a ponta de um iceberg, pois quando se visualiza uma pequena ferida, existe por baixo um grande dano tecidular.Uma equipe de investigadores, desenvolveu um apósito inteligente, com sensores electrónicos integrados, que avalia o dano tecidular, mesmo antes de este ser visível à superfície da pele.smart_bandage_bedsores-2Através de uma técnica conhecida como espectroscopia de impedância, a equipe de engenheiros da UC Berkeley, desenvolveu um apósito inteligente com tecnologia capaz de “sentir” as variações eléctricas, que o tecido sofre na sua transição de saudável, para lesionado.Na prática este apósito usa uns pequenos eléctrodos imprimidos na sua superfície, para sentir a velocidade da electricidade a viajar nos tecidos humanos, que altera-se consoante o tecido está inflamado ou morto.Apesar deste novo apósito inteligente, ser uma excelente arma para os enfermeiros na sua luta diária de prevenção de feridas por pressão, a UC Berkley prevê que a informação recolhida por estes apósitos, venha a proporcionar uma grande melhoria na forma como se cuida dos doentes. Fonte: Nature Communications via Gizmag
27
Dez14

Ler num tablet ou smartphone altera os ciclos de sono

admin
tablet-altera-sonoJá há muito se sabe que estar em frente de equipamentos emissores de luz antes de dormir é prejudicial à saúde. Um estudo publicado no Procedings of National Academy of Sciences of United States of America provou que estar em frente a um equipamento emissor de luz, tais como tablets e smartphones antes de dormir aumenta o tempo para iniciar o sono, atrasa o relógio circadiano e diminui a segregação de meletonina e o sono reparador (sono rem)O problema do sono tem vindo a agravar-se ao longo dos últimos cinquenta anos, vários estudos comprovam que as pessoas dormem menos em quantidade e qualidade.A tecnologia com todas as suas virtudes tem colaborado em grande parte para a degradação do sono. As televisões, os computadores e mais recentemente os tablets, smartphones e eReaders, são dispositivos que emitem luz numa frequência de luz azul que altera o sono. Mesmo sabendo isso, muita gente não dispensa o uso destes dispositivos antes de dormir.Um estudo do Boston's Brigham and Women’s Hospital testou um grupo de pessoas quanto à qualidade do sono. Metade do grupo foi colocado a ler 4 horas antes de dormir um livro de papel, enquanto o outro grupo foi colocado a ler num tablet. Cada grupo foi estudado durante duas semanas e durante cinco dias leu no tablet alternando com cinco dias em lia do livro em papel.Durante o estudo ambos os grupos eram obrigados a deitar-se às 22h00 e a levantar-se às 6h00. Ao longod o dia foram efectuadas análises sanguineas para testar as alterações hormonais relacionadas com o sono e estado de alerta.O grupo que leu do tablet antes de dormir viu o seu ciclo circadiano atrasar todos os dias e a segregação de melatonina deu-se em média 90 minutos mais tarde.O grupo dos tablets durante o dia referia estar mais sonolento e cansado o que foi relacionado com o seu sono reparador (rem) ser mais curto, embora tivessem dormido as mesmas horas que o outro grupo.Estes estudos têm importantes implicações na nossa saúde, pois sabemos que a falta de sono, seja em quantidade e em qualidade têm a longo prazo graves consequências para o nosso organismo, estando ligado a alguns tipos de cancro e outras doenças como problemas cardiovasculares e gastrointestinais.
19
Dez14

Oto Home permite dignosticar problemas nos ouvidos

admin
oto-conectTer o seu filho doente não é fácil, principalmente quando não sabemos o que fazer. Agora já é possível ter mais uma ferramenta para facilitar o diagnóstico de problemas do ouvido a partir da sua casa.O CellScope´s Oto Home é um pequeno aparelho que consiste numa capa com otoscopio e que se adapta ao seu telefone. Na verdade é como o aparelho que o médico usa para ver os ouvidos só que numa versão mais tecnológica.Apesar deste aparelho não fazer o diagnóstico de um problema de ouvidos, a sua aplicação no smartphone, permite gravar um video e enviar ao seu médico que à distancia de um click, já lhe pode orientar para uma consulta ou então provavelmente para passar no consultório e levantar a receita.As vantagens são claras, o médico já tem uma idéia do que se passa à distância poupando tempo que é precioso para ver outros doentes, você fica com ferramentas que não só lhe capacitam cuidar da saúde dos seus filhos com ajuda de um ténico de saúde, assim como no caso dos mais pequenos lhes oferece uma avaliação dos ouvidos no conforto das vossas casas.O Oto Home está associado a um serviço chamado oto connect que permite mandar o video através de uma plataforma médica a um médico. Nesta fase a CellScope oferece a primeira consulta tendo as restantes um custo de 49 dólares.Temos pena que este serviço inovador apenas esteja só disponível na California, apesar da empresa ambicionar expandir para outros estados. Esta aplicação também peca por apenas ser compatível com o iphone 5 e 5S.Os smartphones têm se revelado como plataformas médicas com muita potencialidade, fornecendo aos seus utilizadores a capacidade de transportar vários aparelhos médicos que no valor total custariam milhares de euros, além disso este tipo de tecnologia oferece às pessoas a capacidade de levar cuidados médicos onde estes não seriam possíveis.Com um pequeno telemóvel, um painel solar e algumas aplicações no telemóvel uma equipe médica terá sem sombra de dúvida as suas capacidades de diagnóstico potenciadas, mesmo nos locais mais longínquos da terra.
29
Out14

Google trabalha em nanotecnologia para identificar doenças

admin
Andrew Conrad, o chefe da divisão de ciências da vida da Google, anunciou hoje os detalhes de um projecto que irá usar a nanotecnologia para identificar sinais de doenças.O projeto pretende usar minúsculas nanopartículas magnéticas, do tamanho de um milésimo de largura de um glóbulo vermelho, para ligar -se a várias moléculas e identificá-las como pontos problemáticos.Esta já não é a primeira vez que a Google trabalha no âmbito da saúde. O projeto de nanotecnologia da Google, envolverá também um dispositivo magnético “wearable” que rastreia as partículas e pretende estar pronto dentro de 5 anos.De acordo com um relatório de acompanhamento no Wall Street Journal, a Google ainda está a tentar descobrir quantas nanopartículas são necessários para se ligar aos marcadores de doença.Os cientistas têm ainda um trabalho árduo pela frente visto que terão de desenvolver revestimentos para as partículas que permitam que elas se liguem às células-alvo.A idéia é entregar as nanopartículas através de uma cápsula que deve ser deglutida.Mais de 100 investigadores da Google estão a trabalhar no projecto, pois acreditam que podem prevenir muitas mortes desnecessárias prevenindo a doença.O projecto ainda tem um longo caminho a percorrer, pois as nanopartículas sofrem um forte objecto de regulamentação pela FDA e terão de provar a sua segurança.No fundo a idéia é muito simples e já amplamente discutida no meio científico. Trata-se de usar proteínas e marcadores específicos produzidos por células afectadas e ligar-se através de um revestimento especial às células doentes.Este projecto visa de momento ajudar no diagnóstico, mas de futuro tem um grande potencial para entregar tratamentos apenas a células doentes diminuindo assim efeitos secundários e aumentando eficácia dos tratamentos em certas doenças.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D